• alt text

Aline Zilli


Aline Zilli é atriz e produtora do Grupo Ueba Produtos Notáveis.

É formada em Comunicação Social – Publicidade e propaganda pela UCS com extensão em Administração Pública da Cultura pela UFRGS.

Perita avaliadora de projetos culturais do Ministério da Cultura via Funarte.

Articuladora da Rede Brasileira de Teatro de Rua. É gestora do FESTEAR – Festival de Teatro de Rua de Caxias do Sul.

 

A arte como instrumento de aproximação e reflexão

Por Aline Zilli

O que tem em comum Presidiários, policiais, travestis e palhaços? Essa é uma longa história sobre quatro horas em um Festival! Buscando traçar um paralelo entre esses tipos, vasculhei a memória em busca de uma referência que pudesse unir, e a única resposta foi a do que vivenciei hoje! Só a arte para unir! Explico: Estamos falando de uma noite de teatro no Entepola.

Começamos mais uma noite no anfiteatro de Pudahuel, uma comunidade com cerca de 350 mil habitantes em Santiago, Chile. A noite começa como todas, com um tímido público perto das 21h, para assistir as apresentações que começas perto das 22 horas. (estranho o horário, mas todos aqui parecer muito a vontade). Sentamos nos frios bancos de concreto e chega o apresentador (Eduardo), envoca o público com os bordões do encontro “A utopia vive donde? Em PUDAHUEL” e “Os protagonistas somos TODOS”.  Anunciada a primeira apresentação o clown italiano, um expert em balões. O público vêm a baixo. Crianças sobem ao palco brincam e se divertem com os números baseados nos balões.

Eis o anúncio da próxima obra. Da comunidade de Colina. Entram em cena os atores que arrasam, mais vivos do que nunca, com muito tesão para a cena e para o público. Movimentos bem marcados, imagens formadas com os corpos. Imagens políticas que abordam um cotidiano diferente da maior parte do público que ai estava. Ao término a platéia grita, chora, ergue cartazes. Eis parte da explicação: todos em cena são carcereios, exceto o diretor que atua junto. Familiares tomavam a plateia de forma explendida, gritavam palavras de encorajamento. Bravo.

A obra tratava sobre a vida no cárcere, portem com outras contextualizações. Eles foram enclausurados por exemplo pela Televisão, e por tantas outras formas que somos enclausurados hoje em dia. Quanto ao aspecto social da apresentação 10. Quanto ao caráter de atuação 10. Sem dúvidas foram bem preparados pelos diretores que os acompanham ao longo do ano, mas sem dúvida a vontade pela liberdade, pela retratação de um crime.

Sempre que pensamos na cadeia, em presos, em criminosos os pensamentos que vêm a tona são os piores, afinal eles tem que pagar pelos seus crimes, porém esquecemos que antes do crime, são seres humanos. Mas ai somos tomados por diversos pensamentos. São matadores, são estupradores, são traficantes, pedófilos, e toda gama de mau caráter que se encontram nos presídios. Mas ali estavam, num palco, tentando mudar alguma coisa em si ou na sociedade. Não consigo imaginar como eles se sentiram pois é uma coisa que nunca passei nem próximo a essa reclusão. Mas sabemos bem como é a sensação de estar num palco, em uma plateia querida com uma boa obra.

Outra coisa nos chamou a atenção. O policiamento. Estávamos com atores criminosos, expostos enquanto público e cidadãos. Olhávamos pelos arredores e não víamos um policial. Estranhamos muito, mas a obra apagou a insegurança e não pensamos mais nisso.

Agora chega a hora do palhaço. Estávamos entrando nos bastidores do anfiteatro para trocarmos as roupas para uma pequena esquete de palhaço que faríamos na troca de cenários entre dois trabalhos, para segurar o público em altas horas da madrugada. Entramos e damos de cara com homens armados no escuro das cochias. Sim, uma das atitudes mais dignas que já vi: O policiamento estava a paisana! Armados, mas vestidos como qualquer outra pessoa, sem gerar um constrangimento ou mal estar tanto para o público do Entepola quanto para os presidiários que eram vistos pelos seus familiares. Tínhamos lá pelo menos um policial para cada apenado e um camburão.

Estávamos ali, nos vestindo de palhaços e esperando para nosso número. Improvisamos e brincamos, foi divertido.

Enquanto estávamos no palco ao nosso redor haviam 3 travestis prontos para entrar em cena na próxima apresentação da noite. Eles também falavam sobre uma espécie de reclusão, brigando, dançando e fazendo a sua parte para tentar um mundo com mais respeito e dignidade.

Só sei que hoje fui tomada por diversos pensamentos, não conseguirei coloca-los aqui, eles terão que amadurecer muito mais. Mas sei que vi brotar dignidade com vontade de liberdade. Acho que não só para os atores da noite, mas para todos que vivem na utopia do teatro!

Só sei que a arte une e abre a cabeça. Que todos tenha isso em mente e façam acontecer!

Vida Longa ao grupo de teatro de Colina – Vida longa ao Fênix e Ilusiones!!!!!

 

 

 

 

 

  • BREVES

    Post
    As aventuras do Fusca a Vela no Sertão Nordestino 14 de novembro de 2016O grupo fará uma turnê no Nordeste com o espetáculo As aventuras do fusca a vela
    As aventuras do Fusca a Vela no maior Festival de Teatro de Rua do País 14 de junho de 2016AS Aventuras do Fusca a Vela estará participando de um dos maiores festivais de teatro de Rua do Brasil - o Festival de Teatro de rua de Porto Alegre, nos dias 23, 24 e 25 de junho
    Post
    Zão e Zoraida na Itália 6 de maio de 2015A dupla de palhaços da Ueba levaram sua alegria para as terras Européias, ainda trocando experiência com o conceituado Teatro Ridotto de Bologna - milia Romana - Itália
    Post
    As aventuras do Fusca a Vela 14 de junho de 2015Estreia o mais novo e ousado espetaculo de rua do grupo Ueba - As aventuras do Fusca a Vela - baseado em Moby Dick, o espetáculo traz a cena urbana as histórias de um dono de um ferro velho que diz ser sobrevivente do Pequod, o baleeiro que tentou caçar a lendária Moby Dick. Tudo acontece junto a um fusca, que pode se transformar em barco, baleia e tudo o que a imaginação permite.
    Post
    Radicci e Genoveva nas Quintas de humor do Sesc 6 de novembro de 2014O SESC Porto Alegre realiza em novembro o projeto Quintas de Humor, toda a quinta-feira tem uma atividade humorística. O espetáculo Radicci e Genoveva fez a abertura desta edição e teve a casa cheia. Na sequência ocorrem apresentações do Guri de Uruguaiana, Homens de Perto e Paulinho Mixaria.
    Post
    Teatro e livro nas escolas 10 de dezembro de 2014 O Grupo Ueba foi pioneiro em levar às escolas de Caxias do Sul a literatura aliada ao teatro com os títulos A Mordaça e o infantil O Incrível Caso do Sumiço das Letras. A Mordaça, de foi lançada em 2013 e já teve mais de 2 mil livros adquiridos. O infantil, escrito por Jonas Piccoli, já atingiu a marca de mil pequenos leitores em menos de 6 meses.
  • CONTATO

    Grupo Ueba Produtos Notáveis - Rua Luiz Covolan, 2820 - Bairro Santa Catarina - Caxias do Sul - RS

    Fones: (54) 3028 81 92 - 3028 81 94 - ueba@grupoueba.com.br

    Veja como chegar no Moinho da Cascata - Grupo Ueba no Goolge Maps